DESTAQUES


Sarah McCoy pela 1ª vez em Portugal

Bessie Smith com uma pincelada de Amy Winehouse. Uma pequena porção de Janis Joplin e algo de Tom Waits. Há qualquer coisa também de Fiona Apple. E o seu universo não desagradaria a Kurt Weill. Estas referências podem ser úteis para quem ainda não conhece Sarah McCoy. Os restantes sabem que esta compositora e intérprete não se assemelha a ninguém, que a sua voz e carisma são únicos e marcantes logo ao primeiro instante no palco. O primeiro concerto em Portugal tem lugar no Teatro Ibérico a 8 de Março, em Lisboa, mas a artista norte-americana tem mais datas programadas em Chaves, Fafe e Ílhavo.


Com apenas 32 anos, Sarah McCoy viajou bastante e passou por várias experiências de vida. De Nova Iorque (onde nasceu) a Charleston, na Carolina do Sul, e de Santa Cruz a Monterey, na Califórnia, ela percorreu os Estados Unidos antes de se fixar em Nova Orleães. Durante a adolescência, enfrentou uma depressão em grande parte provocada pela perda do pai aos 15 anos. Deixou a escola de artes em Charleston, renunciou ao catolicismo e iniciou uma jornada pelo sexo, drogas, álcool e ateísmo. Deixando a terra onde cresceu, a jovem música atravessou 44 dos 50 estados da América do Norte na companhia da melhor amiga e também instrumentista Alyssa Potter.

 

Depois de cinco anos à deriva, Sarah McCoy rumou até Nova Orleães em 2011 – que considera ser a cidade mais melodiosa do país. Após alguns concertos pontuais - que surgiam nos intervalos do seu trabalho em restaurantes e bares -, McCoy recebeu um telefonema do dono do clube “The Spotted Cat”, a propor duas actuações semanais nesse espaço da cidade. Foi aí que conheceu o futuro manager. Bruno Moynie, e desta forma abriu-se o caminho até à estreia na Europa.

 

Depois de um concerto no festival francês “Les Nuits De L’Alligator”, em 2014, Sarah McCoy e Alyssa Potter viajaram diversas vezes por ano até França para apresentações marcantes com recurso a um vestuário fantástico e cenários bizarros. Recentemente, já sem a companhia de Potter com quem partilhou palco uma década, McCoy foi convidada a estabelecer-se temporariamente em Paris.

 

Tendo começado a compor músicas à guitarra numa altura em que viajava à boleia, Sarah McCoy abandonou as seis cordas e regressou ao piano, o instrumento que aprendeu a tocar aos 11 anos por incentivo dos pais. Cantando temas melancólicos de inspiração clássica, McCoy serve-se de uma voz poderosa e carregada de soul para interpretar as suas próprias letras que versam maioritariamente sobre auto condenação e uma profunda lamentação mas sempre com uma forte crença na redenção humana.

 

Os concertos em Portugal resultam de uma organização conjunta d' A Minha AgênciaINDIEROR, ciclo 48/20 e 23 Milhas - Ílhavo.


Mais informações:
www.sarahmccoymusic.com


Sarah McCoy pela 1ª vez em Portugal